Dia da Terra 2018 – Fim à poluição pelo plástico

O Dia da Terra deste ano é dedicado à conscientização para o fim da poluição através dos plásticos.

O plástico é um dos lixos mais difíceis de se decompor no ambiente. E um dos que mais contribuem para a poluição de muitos ecossistemas.

Correntes marítimas levam o lixo da costa para o mar aberto, transformando o oceano em um lixão a céu aberto.

Espécies marinhas morrem ao se “alimentarem” de sacolas e resíduos plásticos, reduzindo sua expectativa de vida.

Costumo levar uma ecobag dobrável dentro da bolsa. As sacolas reutilizáveis podem acondicionar cerca de 35 kg de produtos, enquanto as sacolas plásticas comportam apenas 5 kg. E são duráveis.

Ainda assim, a quantidade de embalagens plásticas que entram em casa é muito grande.

Embalagens de alimentos e outros produtos de consumo, embora reaproveitadas para acondicionar resíduos ou objetos em casa, acabam, em algum momento, por virar lixo ambiental, se não descartadas adequadamente

O que será que está faltando? Mais campanhas estimulando o uso de uma alternativa ecologicamente correta? Ou mais responsabilidade ambiental?

Que neste Dia da Terra possamos refletir e nos concientizar de que precisamos modificar nossos hábitos a respeito dos resíduos plásticos.

Imagem:
Tartaruga
Lixo plástico

Natal deliciosamente sustentável

Este ano, Clarisse, que tem iluminado minha vida durante todos estes anos, perguntou por que nossa casa não tem luzinhas de Natal. Então, para adoçar o coração de minha Princesinha, faremos um Natal com luzes e com enfeites comestíveis e, é claro, com materiais recicláveis.

Ainda não decidimos se a árvore será natural, como um pinheirinho, ou um galho com folhas secas, ou uma árvore artificial, que seja reaproveitada nos próximos anos. De qualquer forma, será uma árvore sustentável, sem os enfeites tradicionais comprados nas lojas de decoração natalina:

Nossa árvore será deliciosamente decorada com todo tipo de guloseimas. Chocolates e bombons, biscoitinhos e bolinhos, balas e pirulitos, em saquinhos decorados, ou mesmo soltos, estarão pendurados na árvore, na noite de Natal. Até lá, laços de fita, enfeites de material reciclável e cartões feitos pela Princesinha enfeitarão a árvore.

Para enfeitar a porta, representando paz, prosperidade e recomeço, penduraremos uma guirlanda de rolo de papel, que já está sendo preparada. Ela enfeitará a porta pelo lado de fora durante todo o mês de dezembro.  Neste link, está o passo a passo para fazer  a guirlanda de rolo de papel. Bonita e sustentável.

Pelo lado de dentro, pendurada junto à mesa, poucos minutos antes da ceia, colocaremos uma outra guirlanda de jujubas! A Princesinha vai adorar destruir a guirlanda e sentar ao pé da árvore para colher as gostosuras! E eu também, né? :)

Como fazer uma saborosa guirlanda de jujubas

Vamos precisar de:

  • 500 g de jujubas
  • 30 cm de um rolo de espuma, desses de piscina
  • Um pedaço de arame floral
  • fita adesiva transparente larga
  • 1 pacote de palitos de dente
  • 1 metro de fita colorida

Faça assim:
1. Corte o rolo de espuma e enrole um pedaço de fita adesiva para unir as pontas formando um coroa. Envolva a fita várias vezes para que fique bem resistente e suporte o peso da guirlanda.

2. Enrole um pedaço de arame floral ao redor da fita adesiva e forme um gancho para pendurar a guirlanda.

3. Espete a metade de um palito de dente na extremidade de cada jujuba e enfie a ponta quebrada no rolo, formando fileiras multicoloridas, com cores aleatórias ou uma sequência a gosto.

4. Amarre a fita colorida sobre o arame do gancho e dê um laço bem bacana.

Natal o ano inteiro

Desejamos que este espírito de generosidade e compreensão esteja no coração e nas ações cotidianas das pessoas, não apenas na noite de Natal, mas em todos os dias do ano inteiro.

Saci ou Halloween: que seja ecológico

Neste 31 de outubro, é comemorado o Dia do Saci, para homenagear o tradicional folclore brasileiro. E também é o famoso dia das Bruxas, ou Halloween. Há quem diga que o Halloween ganha na disputa por ser mais popular e pela tradição das festas à fantasia e dos doces. Muita gente nem se lembra do ilustre personagem de uma perna só.

A Irlanda é considerada como o país de origem do Halloween. Nas áreas rurais, as pessoas acendem fogueiras, como os celtas faziam nas origens da festa, e as crianças passeiam pelas ruas dizendo o famoso “tricks or treats” (doces ou travessuras). [fonte]

O Dia do Saci consta do projeto de lei federal nº 2.762, de 2003 (apensado ao projeto de lei federal nº 2.479, de 2003), com o objetivo de resgatar figuras do folclore brasileiro, em contraposição ao “Dia das Bruxas“, ou “Halloween”, da tradição cultural originária dos países anglo-saxônicos.

Porém, e se a gente fizer uma campanha de valorização da cultura nacional, quem sabe? Precisamos mesmo valorizar mais a cultura local. Na escola, as crianças comemoram a semana do folclore, estudam sobre lendas, pesquisam sobre comidas, danças, vestimentas e costumes regionais do nosso povo. Quando chega o Halloween, porém, o máximo que se comenta nos colégios, é alguma coisa na aula de inglês.

No entanto, nos condomínios e algumas comunidades, as pessoas comemoram o Halloween com direito a “gostosuras ou travessuras”, fantasias e tal. As crianças adoram a farra de se fantasiar e sair batendo nas portas. Muita gente nem sabe que é o dia do Saci também, e, talvez não seja divulgado porque o evento estrangeiro gere mais lucro, quem sabe…

Para quem gosta de comemorar a data, seja de que maneira preferir, vai aqui uma sugestão de caixinhas com motivos fantasmagóricos, para colocar os docinhos, hehe. A @cfsardinha confeccionou várias delas com personagens deste mundo mágico: frankenstein, caveirinhas, abóbora, bruxinha e drácula (faltou o Saci, né?). Veja o passo a passo, neste vídeo, que a Cláudia disponibilizou para nós.

As caixinhas são confeccionadas sem cola, apenas dobraduras. O mais importante na comemoração do dia do Saci ou do Halloween, é o reaproveitamento de materiais, como no caso das caixinhas, em que se usou cartões postais ou encartes de revistas. Não é ecologicamente belo e perfeito?

Dia mundial sem carro

Hoje, no Dia Mundial sem carro, várias cidades no mundo se programaram para incentivar seus motoristas a optarem por um transporte alternativo a fim de chamar a atenção para os efeitos negativos do uso dos combustíveis poluentes.

No meu Rio de Janeiro, a prefeitura proibiu o uso do estacionamento no Centro e as vagas do Rio Rotativo e as destinadas aos órgãos públicos ficaram bloqueadas nas principais ruas da Cidade.  É o tradicional “se não vai por amor, vai pela dor”.  Soube que, em  escolas da Rede,  em que a Direção proibiu o acesso ao estacionamento, os servidores deixaram o carro do lado de fora do prédio. Nem vou comentar…

Infelizmente, na Zona Oeste, onde trabalhei hoje, percebi que poucos aderiram ao movimento. Pela manhã, o congestionamento habitual e grande número de veículos com apenas um passageiro, mostraram falta de informação, de solidariedade ou talvez, apenas necessidade de usar o carro, vai saber.

Desde ontem tenho ido trabalhar de ônibus ou van, mas, a meu ver, minha Cidade Maravilhosa não nos deu o apoio necessário para trocar o carro pelo transporte coletivo. A demora nos pontos de embarque provocam um desânimo e a constatação de que não há ônibus e vans suficientes para tanto passageiro. Pelo menos, um incentivo a mais: algumas linhas de ônibus ofereceram desconto no preço da passagem para quem a pagasse em espécie.

Infelizmente, a falta de ciclovias e locais para colocar a bicicleta sem o risco de ser roubada ou rebocada ainda é algo que desestimula aqueles que pretendem usar este tipo de transporte. O carioca deu o seu popular jeitinho, estacionando suas bicicletas em uma passarela. A imagem é linda e ao mesmo tempo preocupante: cidade sem carro é cidade com ciclovias e mais bicicletários, não?

Acredito que o mais importante desta campanha é a conscietização de que a energia dos combustíveis fósseis pode ser substituída, sempre que possível, pela energia humana.  Caminhar, pedalar,  ou compartilhar o carro, não só neste dia sem carro,  é importante para a refletirmos sobre  formas alternativas de mobilidade que fazem bem à nossa saúde e, principalmente, ao planeta.

Imagem: daqui

Os homens desmatam… e os animais reflorestam.

O dia 5 de junho foi estabelecido pela ONU (Resolução 2994(XXVII), 15 de dezembro de 1972), como dia do Meio Ambiente, para marcar a abertura da 1a. Conferência Mundial de Meio Ambiente, em Estocolmo, na Suécia, em 1972.

Neste dia do Meio Ambiente, é importante voltar a atenção para os problemas ambientais e para a necessidade urgente de ações. Chefes de estado, secretários e ministros do meio ambiente fazem declarações e se comprometem a cuidar do Meio Ambiente, de modo a permitir a vida sustentável no planeta.

Cada um de nós, Estado e Cidadão, precisa fazer, de fato, a sua parte para a preservação das condições mínimas de vida na Terra, aprendendo a consumir menos os recursos naturais do que precisamos economizar.

Alguém já declarou que não podemos salvar a natureza. Enquanto os homens continuam omissos em sua responsabilidade, a própria natureza se encarrega de minimizar os efeitos da destruição humana.

Várias espécies de animais, conhecidas como animais-jardineiros, espalham sementes[bb] e frutos e ajudam a plantar novas mudas, promovendo o reflorestamento de áreas degradadas pelo homem. A natureza se defende para minimizar os efeitos da destruição e preservar o que restou da Mata Atlântica.

Os animais fazem a sua parte:

  • O Mico-leão-dourado come mais de 60 espécies de plantas, e, ao digeri-las, espalha sementes no ambiente e ajuda a conservação da biodiversidade.
  • Os Morcegos se alimentam de frutos e também espalham sementes de várias espécies vegetais ao defecar durante o vôo e ainda promovem a polinização das flores.
  • A cuíca, também conhecida como rato-cachorro promove a degradação da matéria orgânica e a fertilização da terra.
  • As preguiças, os gafanhotos e algumas formigas são excelentes podadores de árvores e plantas, que, podadas, tornam-se mais fortes.
  • Os esquilos e as cotias enterram o caroço dos frutos, que brotam novas árvores, e ajudam a cultivar a Mata Atlântica.
  • Algumas aves, como o beija-flor, o tangará, a rendeirao, o periquitinho-surdo e o cabeça-encarnada, também espalham sementes pelas fezes durante vôos de longa distância, e recuperarm áreas verdes.

Enquanto isto, os seres humanos:

?Então, o que fazer? Reflita e aceite o desafio de mudar suas práticas cotidianas em prol de uma vida mais sustentável neste planeta. Faça a sua parte.
Imagem: daqui

Faça algo no Dia da Terra…


… e no resto do ano também!

Amanhã é O Dia da Terra. Embora saibamos que datas comemorativas sejam tão “artificiais”, algumas têm uma função relevante que é a de propiciar um momento de reflexão e discussão acerca do assunto.

Nós, do Faça a sua Parte, incentivamos discussões sobre o Dia da Terra, todos os anos. Muitos blogs já postaram algo para marcar a data, nos anos anteriores, e lembrar dos problemas que afligem nosso planeta.

“Todas as questões relacionadas com meio ambiente têm um fundo político/ideológico, de como nos relacionamos com o mundo e como o consumimos. Mudar essa realidade é um dos nossos maiores objetivos e começa com a mudança das mentalidades e os modos de atuar na realidade. Nos precisamos fazer a NOSSA parte.” (Flavio Prada)

Então, não vamos perder a oportunidade de fazer, pensar, espalhar ou discutir algo neste dia da Terra. Publique em seu blog, compartilhe ações e discussões nas redes sociais; enfim, faça sua parte pela Terra!

Imagem: by Eneas

DIA MUNDIAL DA ÁGUA

(post enviado pelo Jubal Cabral Filho, nosso colaborador):
Hoje, 22 de março, se comemora o Dia Mundial da Água.
Deveria ser a comemoração para que todos tenham este bem único em abundancia necessária para suprir suas necessidades pessoais, familiares e públicas. Em abundância para que haja líquido para beber; para cozinhar; para banho; para lavagem de roupas e utensílios; para limpeza da casa; descarga dos aparelhos sanitários; rega de jardins e lavagem de veículos. Principalmente para que não o desperdicemos.
Nesta nossa região amazônica, onde existe uma capacidade de suprimento de água subterrânea e superficial sem igual tornamos nossos rios as latas de lixos diárias; tranformamos nosso suprimento subterrâneo em local contaminado e não nos preocupamos adequadamente para o futuro tão perto e tão sombrio.
A quantidade de água potável em toda a face da Terra é diminuta: 98% da água existente é salgada! E nem nos damos conta disso. Afinal, aqui na Amazônia detemos 74% dos recursos hídricos superficiais e é habitada por menos de 5% da população brasileira.
Mas, não podemos nos esquecer que sempre estamos sujeitos a enchentes colossais e secas crônicas, associada aos fenômenos de El Niño, La Niña, ou à variabilidade na temperatura da superfície do mar do Atlântico Tropical e Sul que podem gerar anomalias climáticas, como já
ocorreu em épocas passadas.
Não custa nem um pouco nos voltarmos para que sejam atendidas as propostas desta data em 2010: Tentar aumentar a consciência pública da importância da conservação dos recursos de água potável, é o objetivo do Dia Mundial da Água, que se assinala a 22 de Março. Este ano é
dedicado ao tema «Água Limpa para Um Mundo Saudável».
Em homenagem ao Dia Mundial da Água publico esta crônica retirada da revista biográfica “Crônica de los Tiempos” – Abril de 2002 :
CARTA ESCRITA EM 2070
Estamos em 2070, acabo de completar os 50, mas minha aparência é de alguém de 85.Tenho sérios problemas renais porque bebo muito pouca água. Creio que me resta pouco tempo. Hoje sou uma das pessoas mais idosas nesta sociedade.
Recordo quando tinha cinco anos. Tudo era muito diferente. Havia muitas árvores nos parques, as casas tinham bonitos jardins e eu podia desfrutar de um banho de chuveiro cerca de uma hora. Agora usamos toalhas em azeite mineral para limpar a pele. Antes todas as mulheres mostravam sua formosa cabeleira. Agora devemos rapar a cabeça para a manter limpa sem água.
Antes meu pai lavava o carro com água que saia de uma mangueira. Hoje os meninos não acreditam que a água se utilizava dessa forma. Recordo que havia muitos anúncios que diziam CUIDA DA ÁGUA, só que ninguém lhes ligava; pensávamos que a água jamais podia terminar. Agora, todos os rios, barragens, lagoas e mantos aqüíferos estão irreversivelmente contaminados ou esgotados.
Antes a quantidade de água indicada como ideal para beber oito copos de água por dia por pessoa adulta. Hoje só posso beber meio copo. A roupa é descartável, o que aumenta grandemente a quantidade de lixo; tivemos que voltar a usar poços sépticos (fossas) como no século passado porque as redes de esgotos não se usam por falta de água.
A aparência da população é horrorosa; corpos desfalecidos, enrugados pela desidratação, cheios de chagas na pele pelos raios ultravioletas que já não tem a capa de ozônio que os filtrava na atmosfera. Imensos desertos constituem a paisagem que nos rodeia por todos os lados. As infecções gastrintestinais, enfermidades da pele e das vias urinárias são principais causas de mortes.
A indústria ta paralisada e o desemprego é dramático. As fábricas dessanilizadoras são a principal fonte de emprego e pagam-te com água potável ao invés de salário. Os assaltos por um pouco de água são comuns nas ruas desertas. A comida é 80% sintética. Pela ressiquidade da pele de uma jovem de 20 anos está como se tivesse 40. Os cientistas investigam, mas não há solução possível.
Não se pode fabricar água, o oxigênio também ta degradado por falta de árvores o que diminuiu o coeficiente intelectual das novas gerações. Alterou-se a morfologia dos espermatozóides de muitos indivíduos, como conseqüência há muitos meninos com insuficiência, mutações e
deformações.
O governo até nos cobra pelo ar que respiramos, 137m³ por dia por habitante adulto. A gente que não pode pagar é retirada das “zonas ventiladas”, que estão dotadas de gigantescos pulmões mecânicos que funcionam com energia solar, não são de boa qualidade, mas pode-se respirar, a idade média é 35 anos.
Em alguns países ficaram manchas de vegetação com seu respectivo rio que é fortemente vigiado pelo exército, a água tornou-se um tesouro muito cobiçado mais do que ouro e diamantes. Aqui em troca, não há arvores porque quase nunca chove, e quando chega a registrar-se precipitação, é chuva ácida; as estações do ano tem sido severamente transformadas pelas provas atômicas e da indústria contaminante do século XX.
Advertia-se que havia que cuidar do meio ambiente e ninguém fez caso.
Quando minha filha me pede que lhe fale de quando era jovem descrevo o bonito que eram os bosques, lhe falo da chuva, das flores, do agradável que era tomar banho e poder pescar nos rios e barragens, beber toda a água que quisesse, o saudável que era a gente.
Ela pergunta-me: Papai! Porque se acabou a água?
Então, sinto um nó na garganta; não posso deixar de me sentir culpado, porque pertenço à geração que terminou destruindo o meio ambiente ou simplesmente não tomamos em conta tantos avisos.
Agora nossos filhos pagam um preço alto e sinceramente creio que ha vida na terra já não será possível dentro de muito pouco porque a destruição do meio ambiente chegou a um ponto irreversível. Como gostaria de voltar atrás e fazer com que toda a humanidade compreendesse isto quando ainda podíamos fazer algo para salvar o nosso planeta Terra!

A privatização da água: dia mundial da água

Catuípe é uma pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul (nas Missões) e é conhecida como “Terra das Águas Minerais”. Ao tempo em que era um distrito de Santo Ângelo, chegou a ser classificada como Estância Hidromineral. Afinal, Catuípe fica sobre o Aquífero Guarani.
Catuípe tem uma particularidade: todas as residências recebem água mineral encanada:
A população do Município de Catuípe, constituída de 9.499 habitantes, desfruta de um componente invejável na questão da qualidade de vida: a água mineral encanada, distribuída em todas as torneiras. Pelo sistema de distribuição de água potável na cidade, via Corsan, através da captação de poços artesianos, a população recebe em suas residências água mineral classificada como fluoretada e bicarbonatada. Esta qualidade, tem sido um ingrediente de valor no consumo diário dos catuipanos, que dispensam a tradicional aquisição de água mineral engarrafada.” (daqui)
Mas não é bem assim. Na verdade dois processos de privatização estão ocorrendo na cidade. O primeiro, praticado pela cia estatal: monopolizou os poços artesianos e aquilo que poderia ser fonte de renda para o município e seus cidadãos, por meio da exploração turística, acaba nos cofres do governo estadual e aplicado sabe-se lá onde, menos na cidade.
O monopólio estatal para fornecimento de água proíbe a abertura de poços artesianos em áreas urbanas. E sabemos que os governos, nesse país, não são exemplos de “pelo povo e para o povo”. É uma espécie de privatização, pois decisões de investimentos sao sempre feitas por um pequeno grupo para o benefício político de um pequeno grupo.
O segundo, fiquei sabendo por uma conversa que tive com um catuipano, semana passada, Contou-me ele que uma empresa de água (vou conferir e depois atualizo com o nome) já se instalou no município e está adquirindo fontes de água mineral. Em breve é possível que toda água de Catuípe seja fornecida por essa empresa. É a privatização total.
O caso de Catuípe não é único, infelizmente. Muitas cidades brasileiras já privatizaram o fornecimento de água. E a coisa anda a passos largos aqui no Brasil.
Temos que cuidar. Caso contrário, um simples copo d’água poderá nos custar “os ohos da cara”.

Hora do Planeta 2010


Lançada oficialmente, no Brasil, a Hora do Planeta 2010.
No sábado, 27 de março, entre 20h30 e 21h30 (hora de Brasília), o Brasil participa oficialmente da Hora do Planeta. Das moradias mais simples aos maiores monumentos, as luzes serão apagadas por uma hora, para mostrar aos líderes mundiais nossa preocupação com o aquecimento global.
A Hora do Planeta começou em 2007, apenas em Sidney, na Austrália. Em 2008, 371 cidades participaram. No ano passado, quando o Brasil participou pela primeira vez, o movimento superou todas as expectativas. Centenas de milhões de pessoas em mais de 4 mil cidades de 88 países apagaram as luzes. Monumentos e locais simbólicos, como a Torre Eiffel, o Coliseu e a Times Square, além do Cristo Redentor, o Congresso Nacional e outros ficaram uma hora no escuro. Além disso, artistas, atletas e apresentadores famosos ajudaram voluntariamente na campanha de mobilização
.”
Em 2009, milhões de brasileiros apagaram suas luzes e mostraram sua preocupação com o aquecimento global. No total, 113 cidades do País, incluindo 13 capitais, participaram da Hora do Planeta no ano passado. Ícones como o Cristo Redentor, a Ponte Estaiada, o Congresso Nacional e o Teatro Amazonas ficaram no escuro por sessenta minutos. No mundo, 4088 cidades de 88 países aderiram ao movimento na última edição.
Para participar, acesse o site da Hora do Planeta 2010.

RIO+20

Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável em 2012
A Assembléia-Geral das Nações Unidas aprovou hoje, 24 de dezembro de 2009, resolução pela qual decidiu realizar em 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).
O encontro, cuja realização foi proposta em setembro de 2007, pelo Presidente Lula, visa a renovar o engajamento dos líderes mundiais com o desenvolvimento sustentável do planeta, vinte anos após a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92). A Rio+20 insere-se, assim, na longa tradição de reuniões anteriores da ONU sobre o tema, entre as quais as Conferências de 1972 em Estocolmo, Suécia, e de 2002, em Joanesburgo.
A Rio+20 avaliará a implementação dos compromissos assumidos pela comunidade internacional em relação ao assunto. Debaterá, outrossim, a contribuição da “economia verde” para o desenvolvimento sustentável e a eliminação da pobreza e se debruçará sobre a questão da estrutura de governança internacional na área do desenvolvimento sustentável.
Fonte: Ministério das Relações Exteriores